Conversa com Beto Pandiani

A bordo de catamarãs sem cabine, Beto Pandiani percorreu mais de trinta mil milhas náuticas e passou cerca de oitocentos dias no mar. Disciplina, criatividade, organização, responsabilidade, gestão de risco, trabalho em equipe são algumas das competências necessárias para os desafios a que se propõe em alto-mar. Velejador de travessias oceânicas, ele tem em seu portfolio até agora sete expedições realizadas ao longo de quase vinte anos.

Agora, Pandiani está mergulhando em outras águas, a escrita, Ele prepara uma série infanto-juvenil sobre meio-ambiente inspirada em suas viagens. Nela, Espaguete, o personagem principal, e seu cachorro, Picolé, fazem o papel de porta-voz das questões ambientais mais prementes com o objetivo de alertar e conscientizar a garotada sobre a poluição dos mares. O primeiro livro, Espaguete e Picolé na terra do vento, já quase pronto, é baseado na Rota Austral, a segunda viagem que Pandiani fez e que levou cento e setenta dias. A bordo de um hobie cat, ele dobrou o cabo Horn, o ponto mais meridional da América do Sul, conhecido como fim do mundo.

A bordo do barco do Capitão Moish, Betão conta sobre mais essa aventura, rememora episódios passados, fala sobre seu processo criativo para escrever e sobre a sua relação com a transmissão de histórias. Vem ouvir!